30 novembro 2017

Beijo de Judas


Na Quaresma e mais propriamente na Semana Santa, em termos de leituras bíblicas, ouvimos a passagem do beijo de Judas1, entregando-O para ser crucificado. Por norma, apenas se fala neste contexto, no entanto, e há semelhança de outras passagens bíblicas, nas quais o sacerdote para além de as ler e enquadrar naquele tempo, também faz alguma analogia com o tempo atual e como se revelam essas leituras nos nossos dias, esta pouco ou nada é enquadrada, pelo menos que me lembre. Faz algum sentido, tendo em conta o tempo litúrgico, confesso, no entanto há dias veio-me há ideia essa imagem e o seu contexto nos dias de hoje.

Não querendo ser mais do que um mero leigo, que é o que sou, de uma maneira mais alargada, um beijo de Judas para mim é um ato de aparente amizade mas que na verdade é prejudicial a quem o recebe, e não passa pelo beijo no sentido literal, mas sim pelas atitudes, palavras e atos. Quantas vezes, entre colegas de trabalho, entre amigos, na família, mesmo no seio da igreja, entre outras situações no dia a dia, somos alvo de um beijo semelhante?

Muitas vezes seguramente…

Melhor seria que o meu colega, o meu amigo, o meu familiar ou um irmão em Cristo, me fira contando a verdade a meu respeito para que possa mudar, do que o meu inimigo me beije, desejando o meu fracasso porque, os golpes do amigo são letais, mas os beijos de um inimigo são enganadores.2


  
30 de novembro de 2017
1 Mt 26:47-50; Mc 14: 43-45; Lc 22: 47-48
2 Pr 27, 6

31 julho 2017

A criação de Adão





A Capela Sistina, no Vaticano é algo que gostaria de ver demoradamente. Contemplar todas as passagens bíblias ali presentes e criadas por Michelagnelo.
Há dias atrás, por mero acaso, reparei na Criação de Adão, talvez a mais vista, fotografada e descrita…

Neste fresco podemos ver a representação bíblica “"Deus criou o homem à sua imagem e semelhança". [1].


  
No pormenor acima, podemos ver os dedos de Adão e de Deus.
O dedo indicador de Adão, talvez a representação mais famosa do fresco em si, na verdade, não foi um trabalho de Michelagnelo, mas sim de um restaurador do Vaticano, após um desabamento ocorrido em meados do Século XVI, tendo em conta que o mesmo ficou danificado.
Esta peculiaridade, isto é, as fendas que podemos ver neste pormenor, por força do desabamento, passam apenas pela mão de Adão, ficando a representação da mão de Deus incólume.
Estas fendas, entre outras explicações possíveis e plausíveis, naquele tempo como hoje, relembram-me que sou imperfeito e pecador. Só Ele é perfeito, e apesar de ter sido igual a nós, foi em tudo, menos no pecado.



31 de julho de 2017




[1]          - Gn 1,27

24 junho 2017

Dia de São João



Marchas, balões, alhos-porros e martelinhos;
tascas, carroceis e balões;
bifanas, pregos e sandes;
cerveja, vinho e sangria;
e mais algumas coisas que me possam faltar…

Hoje em muitos concelhos de Portugal celebra-se o Dia de São João…

    
24 de junho de 2017

09 junho 2017

Quando fores orar...



Quantas vezes começamos as nossas orações assim?

A maioria de nós (onde me incluo), poucas vezes o faz, admitamos. Começamos por pedir, depois pedimos e por fim pedimos. Algumas vezes lembramo-nos de agradecer-Lhe quando algo apertou nas nossas vidas e Ele, na sua infinita gloria acedeu aos nossos pedidos.
Em todas as missas rezamos o Pai Nosso. Muitas vezes, mais do que rezar, debitamos a oração, sem nos darmos conta do significado de cada palavra e de cada frase da oração. A meio da oração dizemos “...perdoai as nossas ofensas assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido...

Perdoamos mesmo ou apenas dizemos da boca para fora?

Mais do que pensar, meditemos um pouco…

Quando formos orar verdadeiramente, comecemos por perdoar, depois perdoar e por fim perdoar. Se apenas fizermos isso, sinto que Deus nosso Senhor na sua infinita gloria, seguramente fará a Sua parte…



9 de junho de 2017

06 junho 2017

Não queria servir...



É com este titulo que aproveito o artigo da Srª Carmo Rodeia sobre O império da partilha1. Realmente tentamos viver a utopia da solidariedade, no entanto, são só algumas semanas em que muitos de nós realizam essa solidariedade. Na verdade, e como a Srª Carmo Rodeia diz e muito bem, Cada um dentro de suas possibilidades e dons, pode em diversos momentos da vida fazer obras de misericórdia.Realizar obras de misericórdia, não passa apenas e somente, partilhar o pão, a carne e o vinho durante as semanas do Espírito Santo, mas sim a partilha abnegada durante o ano todo com os que mais precisam (começando nas nossas famílias) e dentro das possibilidades de cada um. Ser irmão de um Império do Divino Espírito Santo, não passa somente por ter que servir nos ditos bodos. Servir, também é ajudar aqueles que têm possibilidades para o fazerem, servir também é ajudar o próximo…
Quando ouço alguém dizer que determinada pessoa foi convidada a sair de um império, porque não queria servir (leia-se “não pode servir por razões alheias à sua vontade”) pergunto-me: “-onde mora a solidariedade entre irmãos desse império?”
A evangelização da religiosidade popular, nomeadamente nestas festas em Louvor do Divino Espírito Santo está a dar os seus primeiros passos, no entanto, ainda que seja apenas uma ideia pessoal e peregrina, julgo que deveria ser obrigatória para os responsáveis dos impérios e estes por sua vez, passarem aos irmãos que irão ser mordomos. Só assim, talvez a solidariedade fosse mais verdadeira e não apenas o mostrar aos Homens as posses que cada um tem.
Longe vai o tempo em que a pobreza de cada um era alvo de alegria entre os Anjos e agrado a Deus Nosso Senhor. Hoje, muitos bons cristãos caem na tentação de querem ter um altar melhor, mais vistoso e com mais likes nas suas paginas do facebook, do que o do vizinho ou até uma mesa farta de iguarias que servem de jantar em muitas casas onde os símbolos que O representam estão, esquecendo-se que o mais importante, não é o que a vista vê ou as papilas gustativas sentem, mas apenas o que Deus vê nos nossos corações e sente nas nossas almas.
Servir, passa principalmente pela partilha com os mais pobres, excluídos e menos amados e não somente pelos amigos, vizinhos e aqueles que também já nos convidaram. É natural do ser humano e fica bem perante a sociedade, os convites aos amigos, vizinhos e quem já nos convidou, no entanto, também devemos partilhar com os outros e que belo seria, se essa partilha fosse realizada de forma a que a mão direita não soubesse o que a esquerda fez.
Não querer servir” por razões alheias à vontade do irmão, nunca deveria ser uma forma de convidar a sair, mas sim uma forma de afirmar os mais nobres valores, como a Srª Carmo Rodeia refere no seguinte paragrafo:
Se conseguirmos, cada um de nós, ser outro Paráclito, que é como quem diz, consoladores e defensores dos nossos irmãos, sobretudo dos pobres, excluídos e não amados estaremos a afirmar os mais nobres valores que devem estar subjacentes à condição humana.”
Estaremos a realizar festa do Espírito Santo todo o ano e … a evangelizar.“, quando as mesmas forem realizadas em honra do Divino Espírito Santo com o verdadeiro espírito com que foram criadas.
1 https://www.igrejaacores.pt/o-imperio-da-partilha/

14 março 2017

O Teu olhar


O Teu olhar Senhor meu Deus
denota o enorme peso
que carregas sobre os ombros

A Cruz, mais do que a madeira
é todo o povo de Deus
passado, presente e futuro

Vieste para redimir o pecado original
e dar a salvação a todos nós
pecadores

A escuridão no Teu rosto
ainda que incomparavelmente diferente
é semelhante à escuridão da minh`alma

Meu Senhor e meu Deus
neste momento sentindo que o peso da minha cruz
é maior do que as minhas possibilidades humanas Te suplico:

Sê o Cirineu, ajudando-me a carrega-la,
A Madalena, limpando-me as lágrimas contidas,
o Apostolo amado, ficando ao de mim,
e que eu possa almejar a graça de ser o bom ladrão.

Amén!

08 fevereiro 2017

Lá fora chove...




Lá fora chove…

pingos de chuva
lágrimas de tristeza
dos olhos daqueles
que não conseguem chorar…

e que se afogam por dentro
dos sentimentos profundos
mas não derramados
nos cantos do olhar triste…

quais nuvens que passam
no céu escuro e sombrio…

e seguem viagem
sem nada dizerem
ou demonstrarem
o que por cima delas
se esconde.

Paulo
8 de fevereiro de 2017