26 setembro 2006

Porque é que os cães não vivem tanto como as pessoas?

Recebi este email e achei interessante, comovente e evolvente:

Sou veterinário e, recentemente, fui chamado para examinar um cão da raça Wolfhound Irlandês chamado Belker. Os proprietários do animal, Ron, a sua mulher Lisa, e o filho Shane, eram todos muito ligados ao Belker e esperavam por um milagre.

Examinei o Belker e descobri que ele estava a morrer com cancro. Eu disse à família que não haveria milagres no caso de Belker, e ofereci-me para proceder à eutanásia do velho cão lá mesmo em casa deles. Enquanto fazíamos os arranjos, Ron e Lisa disseram-me que estavam a pensar se não seria bom deixar que Shane, de quatro anos de idade, observasse o procedimento. Eles achavam que Shane poderia aprender algo com a experiência.

No dia seguinte, eu senti aquele familiar "aperto na garganta" enquanto a família do Belker o rodeava para o mimarem pela última vez. Shane, o menino, parecia tão calmo, acariciando o velho cão, que eu perguntei-me se ele entenderia o que se estava a passar. Passados poucos minutos, Belker foi-se, pacificamente. O garotinho parecia estar a aceitar a transição de Belker sem muita dificuldade ou confusão.

Sentámo-nos todos juntos, um pouco após a morte de Belker, pensando alto sobre o triste facto da vida dos animais ser mais curta que as dos seres humanos.

Shane, que tinha estado a escutar em silêncio disse: "Eu sei porquê". Abismados, voltámo-nos para ele. O que saiu da sua boca assombrou-me. Eu nunca ouvira uma explicação tão reconfortante.

Ele disse:-
"As pessoas nascem para aprenderem a ter uma vida boa, a gostarem das outras pessoas e a serem bem comportadas, certo?" ...e o rapazinho de quatro anos continuou... "Bem, os cães já nascem a saber fazer isso, portanto não precisam de ficar cá tanto tempo como nós.

" 100 comentários..."

10 comentários:

a capela disse...

:| as crianças deixam-nos boquiabertos, sem dúvida. Bate certo, pois.
João César das Neves, tem um belíssimo texto, no qual faz a comparação entre o amor do cão pelo dono e o do homem por Deus.
Se algum cão tiver que viver até que o dono aprenda a amar Deus como ele o ama, esse, morrerá mesmo de velho....

abrenção,
Malu

Fernando C. Marques disse...

Olá, não resisti e coloquei o teu texto no meu blog (sorry !).
Achei fabuloso e muito intrigante a conclusão da criança.
Claramente, para nos deixar a pensar ...

NaSacris disse...

O ser humano nasce frágil, sdemasiado frágil mesmo, e é um ser em construção. Sempre. Um caminho de perfeição. Por isso faz sentido o permanente convite à conversão. Até um simples cão nos pode ensinar muitas coisas.

Olhe o Céu disse...

fantástico, simples e muito profundo.

joaquim disse...

Nós ficamos cá tanto tempo e mesmo assim não aprendemos.

Somos "mais complicados" que os cães!!!

"Deixai vir a Mim as criancinhas".

Abraço em Cristo
Joaquim

Paulo disse...

Pois é Malu, por vezes as crianças têm um descernimento quase divino.

Paulo disse...

Meu Amigo Fernando, não há problema nisso, o que é transmite o bem e a fé é para ser partilhado.

Paulo disse...

Pois é Na sacritia...até as plantas nos ensinam coisas.

Paulo disse...

Exactamente Babi e Zé Luis, a regra dos 3 c`s com tanto para se dizer sobre

Paulo disse...

Pois é Joaquim, andamos "por aqui" tanto tempo e no entanto, por muito que seja, nunca aprendemos tudo ou, não queremos aprender, e no entanto é tão fácil amar a Deus, basta querer