06 novembro 2006

Depois de um Domingo



Por vezes o padre da minha paróquia, na hora do sermão, fala, fala mas, nem sempre consegue transmitir a mensagem daquilo que tem em mente.
Ontem, entre outros dias iguais a tantos outros, conseguiu passar a mensagem em poucas palavras.
Resumidamente tinha a ver com a nossa fé e a passagem da palavra, isto é, nós como cristãos falamos sobre a Bíblia e o que ela nos transmite, no entanto, não Vivemos as palavras que saem das nossas bocas.
Como exemplo, falou nos (as) catequistas “no geral” em que ao darem a catequese, dizem que Cristo disse isto e aquilo, que devemos agir assim ou assado mas, NÃO PASSAM DE PALAVRAS OCAS JÁ QUE, NÃO AS VIVEM.

Na verdade essa é uma grande falha de muitas pessoas, ligadas ou não à igreja, até na política, mas isso não é assunto para aqui chamado.
Na verdade, nem sempre sentimos as palavras que dizemos sentir sobre Ele.
Por vezes utilizamos palavras finas, quase como um arranjo florar, para nos referirmos a Ele mas no entanto, não passam de flores plásticas, onde falta o cheiro, a verdadeira cor e a leveza das verdadeiras flores.
Muitas vezes debitamos passagens da bíblia, como se fossem artigos e alíneas de um decreto-lei qualquer, mas não as compreendemos nem tão pouco sabemos transmiti-las.

Como ele disse e bem, antes de transmitir-mos a Palavra de Deus, temos que a Viver primeiro, temos que sentir no nosso o Coração a Sua presença, temos que Amá-lo como filhos que somos e depois disso sim, passar a palavra.

Na verdade, agora que escrevo este artigo, lembro-me de algumas pessoas que sentem o citado no paragrafo anterior e noto que são palavras vividas e não apenas ditas. Noto que não é apenas uma qualquer sopa sem sabor mas sim, uma sopa com sal q.b., onde os ingredientes podem ser poucos, mas onde o sabor é divinal.

8 comentários:

Maria João disse...

Sou catequista e concordo com o que o padre disse. Como costumo dizer, a catequese não é apenas duas horas por semana: uma para preparar o encontro e outra para dar catequese. É preciso aprender e compreender a Palavra de DEus e aplicá-La.

Mais importante ainda: é preciso muita oração. É através dela que conseguimos a ajuda de Deus. Devemos rezar sempre, nomeadamente antes do encontro para pedir a ajuda do Espírito Santo e depois para agradecer a Deus pelo encontro e para que as sementes lançadas gerem fruto.

Paulo disse...

E quem diz a catequese (como uma fase da evangelização) diz no dia a dia de todos nós, cristãos em que nem sempre Vivemos a palavra de Deus como verdade.

Catequista disse...

Sim, tens toda a razão. Não vivemos aquilo que dizemos, não demonstramos aquilo que deveriamos ser, por palavras ou actos. Este fim de semana na minha paróquia tb se falou nesse tema e no exemplo dos primeiros cristãos. Não é fácil (basta pensar na agulha e no camelo) mas quantas vezes nos esforçamos?

Paulo disse...

Amiga catequista, tens razão no que dizes e apesar de nos esforçarmos, nem sempre somos como os primeiros, nem tão pouco aspiramos a tal mas, não sei como, temos que viver mais aquilo que dizemos, mas é uma situação complexa.

joaquim disse...

Digo muitas vezes:
Vale mais um bom testemunho sem palavras, do que muitas palavras sem testemunho!
Abraço em Cristo

malu disse...

Agora que já li todos estes comentários, com os quais concordo e por isso com o teu texto, penso que não tenho nada a acrescentar. No entanto, penso que vale a pena o esforço e porque, lá está: até o padre desta vez, passou-a. Assim acontecerá em algumas aulas de catequesa, e essas, marcarão quem as recebe e para sempre, e, porque quando é Ele que fala em nós (porque estamos a "viver" a Palavra) não há quem fique indiferente - salvo raras excepções.

Paulo disse...

Grande verdade Joaquim, por vezes queremos dizer tanta coisa bonita e bem estruturada e no entanto, por vezes soa a falso.

Paulo disse...

Amiga Malu há sempre lugar para "mais um comentário" neste cantinho, construtivo por certo. E é verdade, como humanos que somos, nem sempre estamos em Cristo.