28 abril 2006

Para pensar e rezar esta semana



"Um corpo ressuscitado

Esta é a festa para celebrarmos o nosso corpo, este organismo feito de formas maravilhosas em que vivemos há anos e que funciona como o centro de operações do nosso pensamento e da nossa memória. Vamos formando o nosso corpo, especialmente a cara, à medida que o tempo passa. Como se costuma dizer, a cara que temos aos quarenta é aquela que merecemos. Por outro lado, sentimos a fragilidade do nosso corpo em cada arranhão, em cada soluço, em cada dor de costas e em cada noite mal dormida.

Não foi um fantasma que os apóstolos e as mulheres santas viram na primeira aparição de Jesus. Viram-nO de carne e osso, mas num estado diferente, tal como o carvalho é diferente da bolota que lhe deu origem. Tocamos no mistério de um corpo, não só no de Jesus mas também no nosso, que nos mostrará no nosso melhor e que não inibirá o nosso espírito com preocupações e ideias de revolta mas que se apresentará com tranquilidade e alegria. Este mistério ultrapassa a nossa imaginação mas é o centro da nossa fé. À medida que envelhecemos, não há nada na nossa fé que faça mais sentido do que a Paixão e a Ressurreição, a certeza de que o nosso corpo, tal como o de Jesus, tem que sofrer e morrer, e a certeza de que temos, com o nosso corpo, uma vida depois da morte."

Palavras tiradas de um Lugar Sagrado

3 comentários:

Malu disse...

Olá Paulo, passo por cá e já agora agradecendo texto que acho bonito embora por vezes evitemos pensar em toda essa parte de cadencia e no fim. Mas que fim? É tão vasto o tema.... Daí que tireis à frente mais esta parte: "Deus está no bater do meu coração.
Deus está comigo aqui e agora." - Agora e sempre, acrescento eu. Estará na hora da passagem, que será o princípio, o "nascer" de verdade, e insisto sempre (bem sei) com as Suas palavras: "Não temais, estarei sempre convosco".
Aí sim, será Aleluia!

Abraço amigo.

Paulo disse...

Malu, é verdade que essas palavras "acrescentadas" tem razão de o ser, o sentir do ser humano. Quanto ao assunto "a morte (fisica)" é o que temos mais certo e, quase todos evitamos. A passagem, essa não temo, apenas tenho algum receio dessa passagem ser dolorosa.

A Capela disse...

Quando o nosso amor por Ele, fôr igual ao medo que desse mau bocado hoje sentimos, é o medo que morrerá primeiro. Penso assim e assim espero.

Malu