18 outubro 2006

Colo


Há dias em que sinto a falta do colo amigo da minha Mãe de Coração. Apesar de quase 5 anos passados desde que ela partiu para junto de Ti, tem dias, como hoje, que sinto a falta das suas mãos quentes a passar pelos meus cabelos fins e fracos e a dizer-me palavras de conforto e de esperança.

Sei e sinto que apesar de Teres fechado uma porta, algures abriste uma janela. Também sei que deve ser da minha visão o defeito por ainda não ter encontrado essa janela, e quem sabe, está mesmo “ali ao virar da esquina” mas, não a consigo ver.

Quero sentir que nesta altura estou ao Teu colo, e que as pegadas que vejo não são as minhas, mas sim a Tuas porque me carregas mas, apenas as sinto tenuemente.

Palavras de apoio e conforto tenho recebo graças a Ti eu sei, mas hoje precisava mais do que isso, nem que fosse de um silêncio, mas um silêncio que me dissesse aquilo que hoje preciso ouvir e sentir.

13 comentários:

Andante disse...

É verdade, Paulo!
Sabe tão bem o colo da mãe...
Palavras doces, reprimendas, um sorriso e amor, muito amor, estampado naquela cara cheia de ternura.

Tudo o que te estou a dizer é sentido.
Hoje não fui a dar colo.
Hoje tive colo...
E chorei de saudade pelo pai que já partiu.
Compreensão e silêncio, feito cumplicidade, foi o que recebi.

Que esta mão amiga que se estende através do teclado seja também de afago no amor do Pai.

Beijos peregrinos

zezezinho disse...

Eu também sinto a falta do colo da minha mãe, apesar de a ter ainda entre mim, estou longe do olhar dela, e a distância dói, há portas que se fecham, janelas que se abrem, procuramos essas janelas que nos tragam luz e alivio, mas o Pai sabe bem o que sentes e dá-te sempre o colo.
Abrços

malu disse...

Abraços.

Paulo disse...

Obrigada amiga Andante pelas tuas palavras. O meu Pai também já partiu...à muito.

Paulo disse...

Zezezinho, a minha sorte é ter o Seu apoio, o colo D`Ele.

Paulo disse...

Para ti também amiga Malu, por vezes isso basta.

Catequista disse...

A falta que se sente de um carinho, de um colo...
Também o meu coração sofre com a ausência de um pai que nunca chegou a conhecer-me. Mas no fundo acredito que ele olha sempre por mim, como o Pai Celeste, assim como a tua mãe o faz por ti.

Paulo disse...

Pois é amiga Catequista, por vezes, como humanos que somos, sentimos isso. Engraçado, também eu não cheguei a conhecer o meu como devia ser. Enfim, Deus na sua infina misericórdia olha por nós como Pai. Volte sempre que quiser, a porta está aberta:)

nahar disse...

O carinho de uma mãe é sempre bom...o calor...semana pasada meus pais foram passear pelo Geres e minha mãe trouxe-me uma imagem de Nossa Senhora da Peneda e dizia lá "Filho, se um dia estiveres triste, fecha os olhos e sorri, pensa que o nosso amor existe e eu gosto muito de ti"
Quis partilhar contigo este momento...
Tua mãe agora é um anjo que te guarda sempre o coração

Forte abraço em Cristo

Paulo disse...

Nahar amigo, agradeço as suas palavras belas que me deixou.

Não só para si, mas também para os restantes, graças a Deus ainda tenho a minha mãe...biologica, a qual estimo muito e com o tempo espero vir a ter um sentimento mais forte (coisas do passado) mas, como disse no artigo a minha mãe de coração (avó materna) por vezes faz-me falta.

nahar disse...

Bem Paul quero pedir desculpa mas apesar de me tratares por "voce", eu vou continuar a tratar-te por "tu" :)

abraço em Cristo

Paulo disse...

O tratar por "você" não é de cariz depressiativo nahar, é mais porque não o conheço, apenas isso. Bom fim de semana.

nahar disse...

eu sei que não :)